sexta-feira, 19 de maio de 2017

Saiba como foi a FeiJU mais Bazar de maio

Em maio, a Fundação Julita realizou a segunda FeiJU mais Bazar do ano. Como atração, o evento teve feira de orgânicos, bazar de novos e seminovos e música com o DJ Nando. Compareceram ao evento cerca de 350 pessoas.

Para a realização da FeiJU mais Bazar, a Julita contou com a colaboração 70 voluntários. Destes, 17 são funcionários da empresa MR Consultoria que realizou a iniciativa Colaboração Social na FeiJU. É a segunda vez que realizam essa ação na Julita. A FeiJU Mais Bazar arrecadou R$10.932,00, dos quais R$ 6.455,00 vieram do bazar que contou com várias peças novas graças ao apoio da MR Consultoria.



Acesso à alimentação saudável


Com o objetivo de possibilitar que a comunidade tenha acesso à alimentação saudável, valorize e fortaleça a agricultura local, a Fundação Julita em parceria com os produtores Uni Horta e Recanto Magini realizou pela segunda vez,  uma feira de produtos orgânicos dentro da FeiJU Mais Bazar. A ideia é que essa feira se torne frequente na organização.





A próxima FeiJU mais Bazar está prevista para o dia 08 de julho. Mais informações, envie um email para comunicacao@fundacaojulita.org.br.

Clique aqui para ver as fotos do evento.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Jovens do Programa Paineira (Centro para a Juventude) visitam bastidores de gravação

Em maio, jovens do Programa Paineira (Centro para a Juventude) visitaram os bastidores de um estúdio de gravação. Eles foram ganhadores da atividade de #Artmobile ocorrida em março na Fundação Julita em parceria com a agência Hogarth Brasil.  Oito jovens foram contemplados com a visita. Os educandos tiveram a oportunidade de ver de perto a produção de um comercial para televisão. Puderam esclarecer dúvidas e curiosidades. Também como parte da premiação, os jovens vão conhecer a agência Hogarth Brasil.








Quer saber como foi a oficina de  #Artmobile? Clique aqui.

Alunas da Fundação Julita recebem palestra sobre sexualidade e saúde da mulher

Em maio, as adolescentes do Programa Ipê Amarelo (Centro da Criança e do Adolescente) e as jovens do Programa Paineira (Centro para a Juventude) receberam palestra de sexualidade da ginecologista e obstetra, Tamires de Menezes França. A atividade teve como objetivo, informar e orientar as participantes sobre métodos contraceptivos, prevenção às DST / Aids e saúde da mulher. Contou com a participação 26 educandas.




Mais que uma palestra, o encontro teve como característica uma roda de conversa entre amigas. As adolescentes participaram da atividade fazendo perguntas e contando histórias e situações que vivenciaram ou que viram acontecer com alguém. A ginecologista esclareceu todas as dúvidas das meninas, deu orientações sobre o uso correto de métodos contraceptivos, explicou sobre doenças sexualmente transmissíveis além de discutir temas como machismo, comportamentos de risco e gravidez na adolescência. Para Adélia Rodrigues, coordenadora do Programa Paineira (Centro para Juventude), esta atividade é importante porque possibilita que as jovens tenham acesso a informação de maneira mais descontraída. Ainda de acordo com a coordenadora,  o encontro foi direcionado somente para meninas para fortalecer vínculos: 
"Fazer esse encontro apenas para meninas, permite que elas construam um vínculo para se apoiarem no dia a dia, percebam que possuem as mesmas dúvidas e questões podendo compartilhar umas com as outras". Conclue ela.



















terça-feira, 9 de maio de 2017

Cine_ Juventude discute sobre ser mulher na periferia

Em abril, aconteceu o segundo Cine_Juventude do ano com a exibição do documentário "Nós, Carolinas" produzido pelo coletivo Nós, Mulheres da Periferia. A discussão após o filme se baseou nas histórias de vida das personagens: suas angústias, sonhos, realizações e sobre o que é ser mulher na periferia e a necessidade de  existir meios de comunicação que mostre essa mulher real. Estavam presentes no evento cerca de 50 pessoas entre elas integrantes do coletivo.

Foto: Otavio Martins


O que é ser mulher na periferia?

Após a exibição do documentário, as jornalistas Bianca Pedrina e Mayara Pereira, integrantes do Nós Mulheres da Periferia, falaram  sobre o coletivo e o processo de produção do documentário. O Coletivo surgiu em 2012 com o objetivo de dar visibilidade às histórias das mulheres que vivem nas periferias já que falta espaço e representatividade na imprensa.

"Criamos o coletivo para dar luz a essas histórias e ninguém melhor do que nós, moradoras da periferia para responder o que é ser mulher na periferia", diz Bianca Pedrina.

A ideia de fazer o filme surgiu em 2015 com o objetivo de sair do "online" e estar mais perto das mulheres que ilustram o site com suas histórias. Para a elaboração do documentário, o coletivo entrevistou cerca de cem mulheres. A pergunta principal era como elas se viam na mídia. Dessas cem, foram selecionadas nove e depois quatro que fizeram parte do curta. O título  Nós, Carolinas é em homenagem a escritora brasileira Carolina Maria de Jesus, pois em seus livros retratava as mesmas histórias que compõem o site do Nós, Mulheres da Periferia além de ter sido moradora da periferia.

"Queremos que as mulheres ao assistirem nosso documentário se perguntem: Quem eu sou dessas Carolinas? Que mulher sou eu na periferia?", afirma Bianca Pedrina.

As jornalistas disseram ao público que, com as exibições, estão aprendendo muito, pois estão tendo contato com vários movimentos de mulheres. Movimentos estes, que mostram que as mulheres da periferia são empoderadas.

"A participação da mulher da periferia é bem forte. Podemos dizer com toda a certeza, que quem movimenta a periferia, são as mulheres. Há diversas iniciativas feitas por elas", afirma Mayara Pereira.

"Trabalhar em rede para nos fortalecer"

Mayara e Bianca falaram que é preciso que as mulheres deem força uma para outra e que é muito importante trabalharem em rede para se fortalecerem. Graziela Karina Gomes, participante do Cine_Juventude concordou com essa afirmação e aproveitou essa fala para apresentar o seu blog sobre relacionamentos abusivos. A estudante contou que utiliza esse canal para ajudar e fortalecer mulheres que vivem ou já passaram por essa situação. "Muitas mulheres que acessam o meu blog, se identificam com ele, pois  já passaram pos situações semelhantes e dizem que é muito bom ter um espaço para falar sobre o assunto", comenta Graziela. 

Para encerrar o Cine_Juventude, as integrantes do Nós, Mulheres da Periferia leram o manifesto do coletivo que pode ser lido aqui.


Confira alguns depoimentos de participantes do Cine_Juventude

"Assistir o documentário foi gratificante! Ver todas essas mulheres e suas superações foi demais". Bárbara Santos, estudante.

"Ver projeto como o do coletivo Nós, Mulheres da Periferia nos inspira a continuar a acreditar". Shaina Medeiros, educadora da Fundação Julita.


Para conhecer e saber mais sobre o coletivo Nós, Mulheres da Periferia, acesse aqui.



Foto: Otavio Martins

Foto: Otavio Martins

Foto: Otavio Martins

Foto: Otavio Martins


Cine_Juventude

O Cine_Juventude acontece mensalmente sempre na segunda quinta-feira de cada mês. Tem como objetivo discutir e aprofundar assuntos que fazem parte do cotidiano da comunidade do Jardim São Luís por meio de filmes e bate papo com convidados.

Programa Paineira (Centro para a Juventude) recebe empreendedores para bate papo



Em abril, os jovens do Programa Paineira (Centro para a Juventude) receberam os empreendedores Tiago Morais e William Trindade para um bate papo sobre a marca de roupas Salve Selva. O encontro teve como objetivo despertar nos educandos do projeto, o espírito empreendedor, a valorização do trabalho manual e também inspirá-los para a elaboração dos seus Trabalhos de Conclusão de Curso.


 


Trabalho em rede e fortalecimento da economia local

Os empreendedores contaram suas trajetórias desde o interesse pelo grafite na adolescência até a criação de uma linha de vestuário (eles se conheceram ainda criança no Grajaú e sempre foram ligados a cultura hip hop). Levando em consideração o talento que cada um tinha em uma área, resolveram montar um coletivo de arte, que se colocava na cena de várias maneiras: através do grafite, do rap, arte e roupas. Tiago e William enfatizaram o quanto é importante o trabalho em rede, aproveitando o potencial individual como mola propulsora. Falaram sobre  as dificuldades de se manter um negócio.  Deram dicas importantes como, por exemplo,  conhecer o seu público e utilizar diversas linguagens para divulgar o trabalho. Outra dica importante que deram aos jovens foi o de valorizar os trabalhos manuais e fortalecer a economia local consumindo produtos de empreendedores da região.





Programa Paineira (Centro para a Juventude)

O Programa Paineira (Centro para a Juventude) oferece gratuitamente atividades para a formação cidadã e orientação para o mercado de trabalho para jovens de 15 a 17 anos. Ao final de cada semestre, os educandos elaboram um Trabalho de Conclusão de Curso onde convergem em um projeto só toda a formação recebida  ao longo do semestre.